NEI
Nitrion do Brasil Ltda (Guaramirim, Santa Catarina)

Nitretação a Plasma

  • Nitretação a Plasma
  • Nitretação a Plasma

Descrição do produto

A Nitretação a Plasma foi desenvolvido na década de 30, com base em uma descarga luminescente de alta corrente sobre superfície da peça.

As peças a serem tratados são montadas em um reator (recipiente) e ligadas ao cátodo, enquanto que a parede do reator (forno) está ligado anodicamente. A câmara de reação é evacuada entre 0,5 e 5 mbar e posteriormente é inserida uma mistura de gás. Com uma tensão de algumas centenas de volts, o gás é ionizado.

A poucos milímetros, da superfície da peça na chamada bainha catódica, ions acelerados colidem a alta velocidade sobre a superfície da peça, onde até 90% da energia cinética, é transformada em energia térmica e transferiada para a peça a ser tratada. Assim é gerado o calor necessário para a Nitretação a Plasma das peças.

Também com este "bombardeamento de íons" sobre a superficie, elementos metálicos como Ferro, bem como oxigénio, nitrogenio, etc, são espanados da superfície. Deste modo, a superfície é limpa e ativada. Esta ativação permite uma nitretação sem maiores dificuldades em materiais de alta liga, como o X5CrNi1810, X10CrNiS189 etc.

Segundo Kölbel com o impacto de ions de gás sobre a superfície catódica ocorrem as seguintes etapas no processo:
Fuga de elétrons do cátodo (peça).
Ionização das moléculas e atomos de gás.
Acelerarção dos íons em direção à superfície do cátodo (peça).
Liberação de átomos da superfície (sputtering).
Geração e recombinação de compostos químicos ou radicais, em especial ions de Fe/N.
Condensação de moléculas de Fe-N na superfície catódica com libertação de nitrogenio para a superfície. Transformando as ligações pobres de nitrogênio.
Penetração de ions na camada superficial da peça.

Na prática, rapidamente se reconhece que a Nitretação a Plasma tem muitas vantagens comparadas a Nitretação a Gás tais como:
Maior dureza superficial;
Fácil de isolar (cobrir) áreas que não devem ser nitretadas;
Escolha da camada de ligação (camada branca);
Nitretação sem problemas de aços inoxidaveis austeniticos;
Possibilidade de nitretação abaixo de 500ºC;
Um simples desengorduramento alcalino é suficente;
Baixo custo do processo.

A nitretação a plasma logo se estabeleceu no mercado como um tratamento térmico alternativo. No inicio a tecnologia DC (corrente continua) lutava com duas das principais dificuldades:
Para a ionização, é necessaria uma alta tensão elétrica, o que tem como consequencia desfavoravel, o arco elétrico. No arco elétrico toda energia é concentrada em um ponto sobre a superficie da peça (cátodo), provocando uma fusão parcial na superfície da peças.
O plasma é um campo elétrico que se estende entre ânodo (parede do forno) e cátodo (peça) e escolhe sempre o caminho mais curto para descarga. Por esta razão, a bainha catódica não consegue se formar em furos de diametros pequenos e em geometrias de fendas estreitas o que imposibilita a nitretação completa destas areas.

A Nitretação é Utilizada em:
Injeção de Alumínio
Injeção de Plastico
Conformação de Chapas
Forjarias
Indústria de Máquinas
Acionamentos e Transmissões
Petróleo e Gás
Indústria Automobilística
Indústria Naval
Indústria Aeronáutica


Envie sua cotação para a empresa

Seus dados serão enviados às empresas para que elas retornem sua cotação.

Seus dados serão enviados às empresas para que elas retornem sua cotação.